Buscar
  • Filipe Lutalo

Hip Hop – Geneologia

HIP HOP Geneologia, título original HIP HOP Family Tree, é um quadrinho com argumento, texto, letra e ilustração de Ed Piskor. Lançado no Brasil pela Veneta, o livro possui dimensões de 31,5x23,0 com, capa dura, colorido. As 128 páginas narra como foi a história do nascimento do HIP HOP nos Estados Unidos.


Foi fabulosa a ideia de narrar em quadrinho a origem do movimento do final da década de 1970 e que ainda hoje movimenta o mercado da música. HIP HOP Geneologia ganhou vários prêmios, dentre eles o Eisner Awards, o mais importante dos quadrinhos norte-americanos. A versão brasileira, traduzida por Mateus Potumati recebeu o prefácio do rapper nacional Emicida.



Emicida faz o link entre as Lianhuanhua, as primeiras histórias em quadrinhos originados na China com os grafites. Destaca que os “Mcs e quadrinistas possuem olhos de câmera fotográfica”, olhos que registram a realidade a sua volta e traduz nas rimas suas percepções e emoções. Para Emicida, o HIP HOP é uma porta e um “código aberto de compartilhamento” que permite a muitos jovens deem continuidade a história que foi iniciada nos meados da década de 1970.


A narrativa de Piskor é sobre o Hip Hop e não sobre os Djs, MCs e a música. Ele traça uma linha que começa no “deteriorado South Bronx”, onde o DJ Kool Herc anima o público em um local na avenida Sedgwick, 1520. Ele é tido como o criador do carrossel, a mixagem de uma batida de uma música em outra.


Grandmaster, Grandwizard Theodore (criador do scratch), Afrika Bambaataa, os grupos The Treacherous Three, The Cold Crush Brothers, Funky Four Plus One, The Fantastic Five e muito mais dão corpo para o livro.


Segundo Santos (2017), a paternidade do HIP HOP não possuem consenso. Alguns dizem que foi Kool Herc, outros que foi Bambaataa. Apesar de Piskor retratar a sequência Herc – Bamba


ataa, os dois eram contemporâneos e influenciados pelo mesmo contexto periférico, marginalizado, onde a música constitui uma alternativa a violência.


O movimento foi uma guinada na violência das gangues. Santos (2017) citando Chang (2005), relata as disputas de territórios entre os Ghetto Brothers (jovens latinos americanos) e os Black S


pade (jovens negros). Bambaataa, então com 20 anos e lider dos Black Spade, firma um tratado de paz que garantiria a segurança de parentes, vizinhos e delimitaria territórios.


Ao se entregarem à música, as batalhas passaram a ser disputadas nos palcos. O fenômeno cultural que atravessou a década de 80 e 90 chegando ao século 21 não passou despercebido das gravadoras. Os discos desapareciam da loja, tamanho era o frenesi da juventude.


Das mixagens a incorporação de rimas elaboradas e com conteúdos políticos, de denúncia ou de empoderamento, dos grafites até a arte de Basquiat, o HIP HOP constituiu um movimento cultural da periferia que ganhou o mundo. Não podemos negar a potência do movimento. Ed Piskor soube trabalhar bem e manteve em alto e bom tom toda a narrativa. Ou deveria falar bom som?


O leitor não irá se arrepender. O material é uma ótima fonte de consulta. Piskor coloca todas as referências que ele usou e inclusive as músicas que ele cita e que os DJs utilizavam. Além da aventura gráfica, podemos relembrar como eram os primeiros breaks e músicas. Sensacional!


Bibliografia

Piskor, Ed. Hip Hop Geneologia / Ed Piskor – Revisão de Mateus Potumati. São Paulo. Veneta, 2016. 128p.


Santos, Maria Aparecida Costa dos. O UNIVERSO HIP-HOP E A FÚRIA DOS ELEMENTOS. COPENE 2018.


HIP HOP Geneologia – Martins Fontes: https://www.martinsfontespaulista.com.br/hip-hop-genealogia-529354.aspx/p – acesso em 2 de março de 2019.


24 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Falo conosco

31 98873-2880 | filipe.lutalo@gmail.com

Increva-se para notícias e atualizações sobre Filipe Lutalo

© 2019 by Filipe Lutalo created with Wix.com

  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black Instagram Icon
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now